Informação do Conselho de Defesa Nacional

 

COMO é sabido, entre os dias 7 e 10 de setembro, o país foi atingido pelo forte furacão Irma, que causou severas enchentes costeiras, ventos fortes e chuvas intensas, principalmente na parte norte do país desde Camaguey até Artemisa.

As províncias mais afetadas foram Camaguey, Ciego de Ávila, Sancti Spíritus e Villa Clara. Outros territórios como Guantánamo, Holguín, Las Tunas, Cienfuegos, Matanzas, Mayabeque e Havana também sofreram danos.

Os conselhos provinciais de defesa de Havana, Matanzas, Villa Clara, Cienfuegos, Sancti Spíritus, Ciego de Ávila, Camagüey, Las Tunas e Holguín ainda estão ativados; bem como 57 conselhos municipais de defesa desses territórios, com o objetivo de realizar as ações de recuperação.

Com base nos dados preliminares fornecidos pelo Gabinete Nacional de Estatísticas e Informação (ONEI) e os relatórios que diariamente oferecem os três chefes das Regiões Estratégicas ao presidente do Conselho Nacional de Defesa, podemos informar o seguinte:

De 1,8 milhão (1,863.589) de pessoas que foram protegidas diante da passagem do furacão Irma, 11.689 continuam recebendo apoio estatal com alimentos e outros recursos de primeira necessidade, em Ciego de Avila, Camagüey, Villa Clara, Holguín, Sancti Spíritus, Havana, Las Tunas, Matanzas e Guantánamo.

Foram afetadas 158.554 moradias: 14.657 destruídas totalmente e 16.646 de forma parcial; além disso, 23.560 sofreram a perda total do telhado e 103.691 apresentaram danos parciais no teto.

Para responder a esta situação, o Governo decidiu que o Orçamento do Estado deverá financiar 50% do preço dos materiais de construção vendidos às pessoas afetadas pela destruição total ou parcial de suas habitações.

Da mesma forma, o preço atual da venda a varejo dos bens de consumo primários para a população afetada foi subsidiado em 50%, incluindo colchões, produtos de higiene, equipamentos de cozinha e eletrodomésticos. Em casos de maior necessidade, o preço de alguns sortimentos foi subsidiado em 100% do valor.

Além disso, os inventários desses recursos e materiais de construção foram imobilizados na rede comercial e disponibilizados para os conselhos de defesa provinciais, para a atenção prioritária às vítimas.

Após a fúria do furacão Irma, cerca de 900 estabelecimentos de comida foram disponibilizados, com preços modestos, nas áreas mais empobrecidas. Do mesmo modo, armazéns e outras unidades de venda a retalho foram transferidas para lugares com melhores condições, a fim de manter a venda da cesta de família subsidiada, bem como outros produtos de venda livre.

Imediatamente após a passagem deste evento meteorológico, foram recebidas diversas doações, de governos, associações de amizade, empresas, organizações não governamentais, universidades, instituições religiosas, entre outros.

Esses sinais de solidariedade, que agradecemos em nome do povo cubano e do governo, complementam os esforços do nosso país para compensar os prejuízos e, através dos sistemas de distribuição estabelecidos, serão entregues, naturalmente, de forma gratuita, às vítimas.

Também se encoraja a comercialização de materiais de construção com o uso dos recursos disponíveis no país e o contributo das indústrias locais. As medidas organizacionais implementadas incluem a expansão da rede de vendas para aproximá-la das vítimas, juntamente com a seleção e capacitação do pessoal.

O Sistema Nacional de Eletricidade já foi praticamente restaurado e 99,9% dos consumidores já recebem este serviço, apesar de que o impacto atingiu quase todo o país e foram destruídas duas torres de alta tensão, 3.661 postes, 2.176 quilômetros de linhas, 1.379 transformadores, 1.300 quilômetros de conexões secundárias e dez subestações.

As províncias que ainda permanecem afetadas são Villa Clara, Sancti Spíritus, Ciego de Ávila e Camaguey, cujo índice de restauração é de 98%. Para hoje, 29 de setembro, espera-se que conclua, fundamentalmente, a restauração de circuitos secundários e primários do país.

No processo de restauração do sistema elétrico do país, é necessário destacar o trabalho das brigadas de apoio misto, que foram criadas nos territórios afetados para a limpeza, poda, abertura de buracos e transporte de postes.

No setor das comunicações, os principais danos ocorreram no sistema telefônico, com a interrupção de 246.707 serviços de telefonia fixa e 1.471 de outras modalidades. Além disso, 312 estações base móveis foram danificadas, 27 torres e 4.764 postes. Até agora, já foi restabelecido 95.3% dos serviços de telefonia e outros e os serviços de rádio e televisão.

Em relação às vias de comunicação, 537 quilômetros foram danificados. O maior impacto ocorreu nos aterros dos resorts turísticos das ilhotas Santa Maria e Coco, nas quais o trânsito já foi restaurado e o trabalho continua até a sua recuperação total.

As enchentes costeiras afetaram uma seção da estrada Via Blanca, em Mayabeque, bem como os túneis da baía de Havana, o da Quinta Avenida e o da avenida Línea, na capital, o que levou a um trabalho ininterrupto para extrair grandes volumes de água. A restauração dos sistemas técnicos dessas importantes rotas de comunicação havanesas foi alcançada em apenas 13 dias e para o próximo fim de semana já se poderá caminhar novamente pela avenida beira-mar (Malecón), que também foi gravemente danificada.

Apesar dos efeitos no setor educacional, o ano letivo começou de novo graças à recuperação de um grande número de escolas e à implementação de outras alternativas nos territórios mais atingidos.

Das 980 instituições de saúde danificadas, 289 foram reparadas, o que não impediu a manutenção da vitalidade do sistema e continua fornecendo todos os serviços à população. Além disso, manteve-se uma situação epidemiológica estável, cujo acompanhamento deve continuar com prioridade.

Na agricultura, os principais efeitos foram concentrados na área avícola, com 466 aviários danificados; deles, 348 já estão prontos. Além disso, cerca de 95 mil hectares de culturas variadas foram atingidas pelo furacão Irma, dos quais mais de 35 mil já foram recuperados, dos quais destacam 20 mil hectares de banana. Estão sendo desenvolvidas plantações emergentes de vegetais e culturas variadas de ciclo curto, no intuito de garantir o fornecimento desses produtos à população.

O setor açucareiro registrou cerca de 338 mil hectares de cana afetados, principalmente em Camagüey, Ciego de Ávila, Villa Clara e Matanzas. No entanto, 180 mil já foram recuperados e se trabalha nos restantes, nos quais os danos são calculados entre 3 e 20%. Trabalha-se de forma intensa nas 20 usinas açucareiras localizadas no norte de Camaguey, Ciego de Ávila e Villa Clara — que representam 40% do total do país — cujas afetações são, essencialmente, nos telhados.

Apesar das afetações, no Turismo vem se trabalhando intensamente, o que permitiu que todos os centros turísticos do país já estejam prestando serviços, exceto as ilhotas do Norte de Villa Clara e as de Ciego de Ávila, que iniciarão as operações com o início da alta temporada e terão todas suas instalações prontas para 15 de novembro.

As chuvas que acompanharam o furacão Irma favoreceram a situação hidrológica da Ilha, impactada por uma seca intensa e prolongada de mais de três anos. A precipitação acumulada em setembro atinge os 256,4 milímetros, o que representa 137% da média histórica deste mês. As províncias onde mais choveu são Sancti Spíritus, Camaguey, Ciego de Ávila e Villa Clara, enquanto as menos favorecidas são Artemisa e Havana, bem como o município especial da Ilha da Juventude.

Os reservatórios, entretanto, acumulam 6.3 bilhões (6.302.000.000) de metros cúbicos, equivalentes a 68,4% da capacidade total das represas.

Quanto à rede hidráulica, 99% dos aquedutos já foram recuperados. Quatro sistemas ainda estão interrompidos: três em Camaguey e um em Villa Clara, o que afeta 6.961 pessoas, as que, apesar de tudo, recebem água mediante carros-tanque.

O trabalho continua no processo de preparação dos relatórios de avaliação de danos, sob a direção do ONEI. Ainda, desenvolvem-se avaliações de impacto ambiental pós-desastre, lideradas pela Agência do Meio Ambiente.

O Conselho de Defesa Nacional reconhece o excelente trabalho das Regiões Estratégicas e dos conselhos de defesa provinciais, municipais e das zonas. Também destaca o apoio e a disciplina da população que, juntamente com as organizações de massas e outras agências, têm trabalhado duro no saneamento e limpeza, ações nas quais também foi significativa a participação dos ministérios das Forças Armadas Revolucionárias e do Interior. Para que o país possa compensar no menor tempo possível por todos os danos causados ​​pelo furacão, é essencial manter o trabalho conjunto e o espírito de luta que sempre distinguiu nosso povo combativo.

Fonte: Granma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s