O último encontro de Fidel Castro

Por Atilio A. Boron

Faz um ano que você se foi. Os meios de todo mundo disseram, com ligeiras variações, algo como “a morte levou  Fidel”. Mas, com todo respeito, Comandante, você sabe que não foi assim porque você elegeu o dia de sua morte. Perdoe meu atrevimento mas ela não veio lhe buscar; foi você, Fidel, quem a convocou para esse dia, o 25 de novembro, nem um antes, nem um depois. Quando cumpriu 90 anos, você disse  a Evo Morais e Nicolás Maduro que “até aqui chego, agora toca a vocês seguir caminho”. Mas você também seguiu seu caminho, aferrando-se à vida em uns meses mais até o momento preciso em que tinha chamado a morte para que o viesse  buscar. Nem um dia antes, nem um dia depois.

O que me leva a pensar assim? O fato de que em  cada uma das coisas que fez desde sua juventude sempre transmitiu um significado revolucionário. A simbologia da Revolução acompanhou-o toda sua vida. Você foi um maestro consumado na arte de se referir à Revolução e sua necessidade em  cada momento de sua vida, pronunciando vibrantes discursos, escrevendo milhares de notas e artigos, ou simplesmente com seus gestos. Sobreviveu milagrosamente ao assalto ao Moncada e aí, de “ pura casualidade”, você aparece ante seus juízes justo embaixo de um quadro de Martí, o autor intelectual do Moncada! Quem poderia achar que isso foi um fato casual? É verdadeiro: a morte foi  buscá-lo infinitas  vezes, mas nunca o encontrou: debochou aos esbirros de Batista que o buscavam no México e sobreviveu a mais de seiscentos atentados planejados pela CIA. Você ainda não a tinha chamado e ela, respeitosa, esperou que você o fizesse.

Um homem como você, Comandante, que fazia da precisão e da exatidão um culto, não podia ter deixado a esmo seu passo à imortalidade. Revolucionário integral e inimigo do culto à personalidade (exigiu que, à sua morte, não tivesse uma só praça, rua, edifício público em Cuba que levasse seu nome) quería que a recordação de sua morte não fosse só uma homenagem a sua pessoa. Por isso lhe ordenou que o viesse a buscar justo no mesmo dia em que, sessenta anos antes, fazia deslizar rio abaixo –sem ligar os motores– o Granma, para iniciar com seu travesía a segunda e definitiva fase de sua luta contra a tiranía de Batista. Queria dessa maneira que a data de sua desaparição se associasse a uma meta inesquecível na história da Revolução cubana. Que ao  recordar  você as seguintes gerações recordassem também que a razão de sua vida foi fazer a Revolução, e que o Granma simboliza como poucos seu legado revolucionário.

Conhecendo-o como o conheci sei que você, com sua enorme sensibilidade histórica, jamais deixaria que um gesto como este –a lembrança da epopeia do Granma– ficasse a esmo. Porque você nunca deixou nada a esmo. Sempre planificou tudo muito conscientemente. Você me disse em mais de uma ocasião “Deus não existe, mas está nos detalhes”. E alinhado com esta atitude o “detalhe” da coincidência de sua morte com a partida do Granma não podia passar inadvertida a uma mente tão lúcida como a sua, o seu olhar de águia que via mais longe e mais fundo. Além disso, seu sentido do tempo era afinadísimo e sua paixão pela pontualidade extraordinária. Você atuou toda sua vida com a precisão de um relógio suíço. Como ia deixar que a data de sua morte ocorresse em qualquer dia e sepultasse no esquecimento a partida do Granma e o início da Revolução em Cuba? Você quis que a cada ano, ao homenagear a sua figura, se recordasse também o heroico começo da Revolução naquele 25 de novembro de 1956 junto a Raúl, o Che, Camilo, Ramiro, Almeida e tantos outros. Você a chamou e a morte, que sempre respeita os grandes para valer, veio  pontualmente. Não se atreveu a desafiar seu mandato. E seus médicos também não, aos quais estou seguro lhes advertiu que não lhes ocorresse lhe aplicar medicamento algum que estragasse seu plano, que sua morte ocorresse antes ou após o que você tinha decidido. Ninguém deveria interpor a sua vontade de fazer de sua própria morte, como o tinha feito ao longo de toda sua vida, seu último grande ato revolucionário. Você o planificou com a minuciosidade de sempre , com essa “paixão pelos detalhes” e a pontualidade com que fez cada uma de suas intervenções revolucionárias. Por isso hoje, a um ano de sua partida, o recordamos como esse Prometeu continental que aborda o Granma para lhe arrebatar o fogo sagrado aos deuses do império que pregavam a passividade e a submissão para que, com ela, os povos de Nossa América acendessem o fogo da Revolução e abrissem uma nova etapa na história universal.

Até a vitória sempre, Comandante!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s