#Cuba não quer confronto, mas não vai recuar um milímetro em seus princípios

Photo: Cubadebate

(Tradução da versão estenográfica do Conselho de Estado)

Sua Excelência senhor Martín Vizcarra Cornejo, presidente da República do Peru;

Suas Excelências, chefes de Estado e de governo:

Eu presto homenagem ao povo do Peru, ao qual estamos ligados por laços estreitos desde as guerras de independência e no esforço comum em saúde ou perante desastres naturais.

Sabemos que o povo peruano repudia as provocações contra a delegação cubana dos últimos dias.

Eu expresso solidariedade e condolências à República do Equador, estendida aos familiares dos jornalistas assassinados.

A profunda mudança nas relações hemisféricas que o presidente Raul Castro Ruz reclamou na última Cúpula simplesmente não aconteceu.

Nossa América, martiana e bolivariana, grupo de nações do Rio Grande à Patagônia, unidas por um destino comum na busca de sua segunda e definitiva independência, continua sendo saqueada, intervencionada e vilipendiada pelo imperialismo norte-americano, que invoca a Doutrina Monroe para exercer a dominação e hegemonia sobre os nossos povos.

É uma história de guerras de conquista, desapropriação de territórios, invasões e ocupações militares, golpes de Estado e imposição de ditaduras sangrentas que assassinaram, desapareceram e torturaram, em nome da democracia e da liberdade. Uma longa história de espoliação voraz de nossos recursos.

Hoje existe o perigo do retorno ao uso da força, a imposição indiscriminada de medidas coercitivas unilaterais, até de golpes militares sangrentos.

A seriedade da declaração arbitrária e injusta da República Bolivariana da Venezuela, berço da independência latino-americana e da segunda reserva de hidrocarbonetos, como uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional da superpotência. não deve ser subestimada.

A exclusão do presidente Nicolás Maduro Moros desta Cúpula é uma afronta a todos os povos de Nossa América e um revés histórico imposto pelo atual governo dos Estados Unidos.

Como voz da irmã e heróica Venezuela, estamos aqui para defender sua autodeterminação e reiterar a inabalável solidariedade de Cuba com a união cívico-militar, bolivariana e chavista, liderada por seu presidente constitucional. Desejamos sucessos na próxima eleição presidencial na Venezuela.

Em nome de Cuba, invoco a Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada pelos Chefes de Estado e de Governo em 2014.

Eu também não esqueço a ausência de Porto Rico.

E lembro que as ilhas Malvinas são argentinas.

Há poucas horas o governo da República de Cuba condenou veementemente o ataque perpetrado pelos Estados Unidos e alguns de seus aliados da OTAN contra a República Árabe da Síria. Esta ação unilateral e ilegal, sem provas ou conclusões da Organização para a Proibição de Armas Químicas, cuja equipe busca provas no campo, constitui uma flagrante violação dos princípios do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas, o que agravará o conflito naquele país e na região.

Cuba rejeita firmemente o uso de armas químicas e outras armas de extermínio em massa por parte de qualquer ator e em qualquer circunstância.

Nossa América, com suas culturas e história, o vasto território, a população e seus enormes recursos, pode se desenvolver e contribuir para o equilíbrio do mundo; mas é a região com a distribuição mais desigual da riqueza do planeta.

Os 10% mais ricos acumulam 71% da riqueza e, em dois anos, 1% da população terá mais que os 99% restantes. As pessoas não têm acesso igual à educação, saúde, emprego, saneamento, eletricidade e água potável.

Só avançaremos através da integração regional e do desenvolvimento da unidade dentro da diversidade, que levou à criação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

Eventos recentes mostram que a OEA, e especialmente seu secretário-geral, são meros instrumentos dos Estados Unidos.

Agora, o objetivo é restabelecer a dominação imperialista, destruir as soberanias nacionais com intervenções não convencionais, derrubar governos populares, reverter conquistas sociais e restaurar, em escala continental, o selvagem neoliberalismo. Para este fim, a luta contra a corrupção é usada como arma política; promotores e juízes agem como «partidos políticos» e os eleitores são impedidos de votar em candidatos com forte apoio popular, como é o caso do presidente, o preso político Luiz Inácio Lula da Silva, cuja liberdade exigimos.

Esconde-se aqui que a corrupção prevalece entre governantes, políticos conservadores, parlamentares e políticos e nos sistemas eleitorais, nos bancos do Norte, onde ocorre a lavagem de ativos financeiros, inclusive vindos do tráfico de drogas; em subornos transnacionais, em leis corruptas e modelos políticos, por natureza, baseados em dinheiro, em «interesses especiais» corporativos.

As pessoas são manipuladas a partir da propriedade monopolista privada sobre os meios de comunicação e as plataformas tecnológicas.

Nas campanhas eleitorais não há limites éticos, promove-se o ódio, a divisão, o egoísmo, a calúnia, o racismo, a xenofobia e as mentiras; tendências neofascistas proliferam e se prometem muros, militarização de fronteiras, deportações em massa, até mesmo de crianças nascidas no próprio território do Norte.

No hemisfério, há cada vez mais violações em massa, flagrantes e sistemáticas dos direitos humanos civis e políticos e econômicos, sociais e culturais de centenas de milhões de seres humanos, que não falam ou participam destas Cúpulas.

De que democracia e valores se fala aqui – dos do presidente Lincoln ou do «sonho» de Martin Luther King, que exaltariam o povo americano, a quem nos unem laços indissolúveis, ou os de Cutting, aqueles que provocou a guerra com o México e a extirpação do seu território, ou dos alegados extremistas conservadores «anti-sistema» que governa hoje nos Estados Unidos da América?

Cuba não aceitará ameaças ou chantagens do governo dos Estados Unidos. Não quer confronto, mas não negociará nada dos seus assuntos internos nem recuará um milímetro em seus princípios. Em defesa da independência, da Revolução e do socialismo, o povo cubano derramou seu sangue, assumiu sacrifícios extraordinários e os maiores riscos.

O progresso alcançado nos últimos anos nas relações bilaterais, baseado na igualdade soberana absoluta e no respeito mútuo, que agora se inverteu, mostrou resultados palpáveis ​​e que a convivência civilizada, dentro das profundas diferenças entre os governos, é possível e benéfica para ambos e para todos no hemisfério.

O bloqueio e a perseguição financeira endurecem, causam privações ao nosso povo e violam os direitos humanos, mas o isolamento do governo dos EUA em todo o mundo, na sociedade americana e na emigração cubana, também aumenta em relação a essa política genocida, obsoleta e malsucedida.

A rejeição internacional da ocupação do nosso território em Guantánamo pela Base Naval e o centro de detenção e tortura nele localizado aumenta igualmente.

O pretexto para reduzir o pessoal das embaixadas e afetar o direito de viajar de cubanos e americanos é totalmente desacreditado.

No próximo dia 19 de abril, no ano 150 de nossas lutas pela independência, com a constituição de uma nova Assembleia Nacional do Poder Popular culminarão as eleições gerais. Cubanos e cubanos, especialmente os mais jovens, intimamente ligados ao Partido, que é o Partido da Nação, fundado por José Martí e Fidel Castro; juntamente com Raúl, vamos comemorar a vitória contra a agressão mercenária de Playa Girón, firmes, confiantes e otimistas.

Muito obrigado (Aplausos)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s